poem

rip #80

30.11.1931

Não fiz nada, bem sei, nem o farei,
Mas de não fazer nada isto tirei,
Que fazer tudo e nada é tudo o mesmo,
Quem sou é o espectro do que não serei.

Vivemos aos encontros do abandono
Sem verdade, sem dúvida nem dono.
Boa é a vida, mas melhor é o vinho.
O amor é bom, mas é melhor o sono.

I did nothing, well known, nor will I,
But by doing nothing I became this,
which equals doing all or nothing,
who I am is the spectre of what I'll not be.

We live on encounters and abandonments
Without truth, no doubt nor owner.
Life is good but rather wine.
Love is good but rather sleep.